Topo
Entre Quatro Poderes

Entre Quatro Poderes

Dono da Havan diz à PF sequer saber o que é “impulsionamento de zap”

Eduardo Militão

31/07/2019 04h00

Luciano Hang, dono da Havan (Márcia Ribeiro/Folhapress)

O dono das lojas Havan, Luciano Hang, investigado no inquérito das fake news nas eleições, disse à Polícia Federal que sequer sabe o que é "impulsionamento de zap". É o que afirma seu advogado, Fábio Roberto de Souza. "Falou que não sabe nem o que é isso de impulsionamento de zap", contou o defensor ao UOL nesta terça-feira (30), em mensagens intermediadas pela assessoria de imprensa da rede varejista.

"Jamais participamos ou enviamos qualquer coisa por zap ou qualquer outra rede. E, ao final, isto ficará provado."

Quando diz "zap", a defesa se refere ao aplicativo de troca de mensagens WhatsApp, usado como ferramenta para propaganda política ilegal em 2018.

Souza reforçou que a investigação da Polícia Federal "vem provando" que Hang não participou da distribuição em massa de propaganda negativa contra candidatos nas eleições, o que é proibido pela lei eleitoral. "Nem a Havan, nem o Luciano Hang participaram desse envio, o que está ficando claro no inquérito."

O advogado não quis revelar quando foi feito o depoimento à PF. Hang foi um dos apoiadores da candidatura de Jair Bolsonaro (PSL) ao Planalto no ano passado.

Souza acrescentou que Hang deve processar veículos de que comunicação que o colocaram como um dos empresários que compravam disparos em massa de propaganda nas eleições de 2018. Ele contou que o dono da Havan colocou isso em seu depoimento à polícia.

"Vai processar quem disse que ele fez isso, porque jamais fez e é inclusive o que o inquérito vem provando", continuou o defensor.

"Exigiremos os ressarcimentos devidos, a exemplo dos processos que já temos em trâmite contra veículos de imprensa que, irresponsável, mentirosa e criminalmente, nos associaram a isto."

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Sobre o Blog

Os repórteres do UOL Notícias em Brasília trazem informações do Congresso, do STF, do Planalto e dos ministérios que nem sempre habitam as manchetes, mas que revelam os bastidores dos poderes.