Topo
Entre Quatro Poderes

Entre Quatro Poderes

Presidente da CCJ diz a petista que 'é melhor atender Moro do que bandido'

Hanrrikson de Andrade

16/10/2019 15h58

O presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), voltou hoje a bater boca com a petista Maria do Rosário (PT). Um dia após chamá-la de "chata" durante a discussão do projeto que trata da possibilidade de prisão em segunda instância, o parlamentar disse a ela que "é melhor atender um pedido do ministro [Sergio] Moro do que de bandido que fica pedindo para não pautar essas coisas", em referência ao mérito da proposta que compõe o pacote anticrime.

O duelo verbal ocorreu quando Maria do Rosário tentava, por meio de questão de ordem, pedir vista do processo antes da leitura do parecer da relatora, Caroline de Toni (PSL-SC). Francischini negou e disse que, assim como na reforma da Previdência, só concederia vista –quando a matéria é retirada de pauta para análise– após a leitura ou quando o documento fosse disponibilizado no site da Câmara.

Insatisfeita com a decisão do presidente da CCJ, a petista protestou e afirmou que ele estaria "atendendo ao ministro Moro e ao PSL" em vez de respeitar o Regimento Interno da Casa. Francischini respondeu então:

"Eu não vou bater boca com vossa excelência. Eu não estou atendendo a pedido do ministro Moro. Mas se eu tivesse, é melhor atender um pedido do ministro Moro do que de bandido que fica pedindo para não pautar essas coisas. Então, por favor."

Na sequência, Caroline enfim fez a leitura do parecer, favorável à PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da prisão em segunda instância. Dessa forma, o bloco de oposição pôde finalmente apresentar o pedido de vista. A matéria deve retornar à pauta da comissão em duas semanas.

Francischini decidiu pautar o projeto em resposta a uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que marcou para quinta-feira (17) a votação das ações que podem alterar o entendimento da Justiça sobre o tema. O último julgamento da Corte foi favorável à prisão em segunda instância, mas o placar ainda pode ser alterado.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Sobre o Blog

Os repórteres do UOL Notícias em Brasília trazem informações do Congresso, do STF, do Planalto e dos ministérios que nem sempre habitam as manchetes, mas que revelam os bastidores dos poderes.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor