Topo
Entre Quatro Poderes

Entre Quatro Poderes

Com tapumes e celulares confiscados, CPI do BNDES ouve delator da Odebrecht

Guilherme Mazieiro

20/08/2019 17h38

Plenário com tapumes para receber ex-diretor da Odebrecht – Guilherme Mazieiro/UOL

O corredor em que ficam espalhadas as mais de 20 comissões da Câmara tinha um plenário completamente vedado nesta terça-feira (20). O auditório 5 foi isolado com tapumes e tinha acesso restrito. Não podiam entrar assessores e tão pouco celulares.

Isso porque ex-diretor da Odebrecht, João Carlos Mariz Nogueira, delator na Lava Jato, prestou depoimento sobre práticas ilícitas à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

O ex-direto chamado à comissão que investiga possíveis direcionamentos e desvios de verbas públicas do banco durante os governos petistas. A sessão começou às 15h.

Em delação premiada o ex-diretor já disse que Lula levou ao presidente de Cuba, Raúl Castro, em 2014, uma proposta da empreiteira para viabilizar a construção de uma área industrial na ilha.

Além dele, deputados entraram, mas com celulares confiscados. Procedimento semelhante se deu com o depoimentos do ex-ministro petista Antonio Palocci. Isso acontece para preservar as informações sigilosas que são  confidenciadas aos parlamentares.

O grupo é coordenado pelo tucano Vanderlei Macris (PSDB-SP). Esta é a terceira CPI que se debruça em possíveis irregularidades nos empréstimos do banco.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Sobre o Blog

Os repórteres do UOL Notícias em Brasília trazem informações do Congresso, do STF, do Planalto e dos ministérios que nem sempre habitam as manchetes, mas que revelam os bastidores dos poderes.